top of page

Vários tipos de rapport

Oi pessoal!


Publiquei hoje no meu Instagram, um carrossel mostrando diversas formas de fazer rapport no Photoshop. Vamos destrinchar esse post e conversar mais sobre essas técnicas aqui no blog?

Antes de tudo, é importante dizer que algumas técnicas podem funcionar em outros programas ou até mesmo para fazer rapport em papel, mas podem precisar de passos específicos. Aqui, vamos falar do funcionamento delas no Photoshop especificamente.


Outra coisa que gosto de frisar, é a importância de saber mais de uma técnica. Por exemplo: eu, hoje em dia, utilizo mais a visualização de padrão. Mas essa função não funciona em todos os computadores. Logo, se eu só soubesse fazer desse jeito, seria um problema se eu precisasse usar um computador em que essa maneira não funciona.


Também é interessante entender muito bem o conceito do rapport porque isso vai te auxiliar a fazer os encaixes em outros programas, com outros recursos. Por exemplo: no Procreate, não existe (ainda) nenhuma ferramenta que facilite a rapportagem. Como eu conheço bem os jeitos de fazer o encaixe e seus conceitos, consegui adaptar algumas técnicas para funcionar por lá também.


Não existe técnica errada ou certa. No Photoshop, existem diversas formas de se fazer a mesma coisa e com o rapport não é diferente. O importante é escolher aquela que você se adapta melhor e que funcione legal no seu dispositivo.


Agora sim, vamos lá:

Por coordenadas x e y:

Nessa técnica, utilizamos o tamanho do canvas como referência para deslocar nossos elementos. Basta alterar a posição x e y de forma positiva ou negativa de acordo com o tamanho do canvas. Por exemplo: na imagem ao lado, seria só fazer uma cópia do elemento com "ctrl j", apertar ctrl t e na barra de opções, deslocar 64cm (positivos). É importante marcar o triângulo para manter o posicionamento relativo do elemento de acordo com o original.

Essa é uma técnica mais manual, em que precisamos colocar as coordenadas manualmente para que o elemento fique posicionado no local perfeito. Essa técnica pode ter alguns problemas como a não relatividade da medida em centímetros e pixels. Mas isso é assunto para um próximo momento.

Por lateral comum ou composto:

Aqui, utilizamos as linhas guia como referência para a repetição do elemento. Posicionamos duas linhas perpendiculares (lateral comum) ou quatro linhas (lateral composto) nas bordas do canvas. E então aumentamos a tela de pintura. Tudo que passar pra fora dessa linha, deve ser repetido do lado oposto, dentro do quadrado (ou retângulo).

Essa técnica também é manual. Precisamos copiar (ou recortar) o excesso do elemento para passar para o lado oposto manualmente. E essa transição pode acabar gerando diversos erros diferentes de encaixe. Por tanto, é preciso muita atenção na hora das repetições para não ter problema no arquivo final.

Por offset (deslocamento):

O deslocamento, parte do mesmo princípio do tipo por coordenadas, mas nele, você não precisa se preocupar com preencher valores. Você pode simplesmente clicar e arrastar esse elemento para a posição desejada e tudo que passar para fora do canvas, será automaticamente repetido do lado oposto.

Já aqui, os problemas que podem acontecer são gerados pelo deslocamento e transformação errada do elemento. É interessante utilizar objetos inteligentes (apesar de ser possivel fazer com uma camada raster) e apenas deslocar o elemento utilizando o filtro offset e não de forma livre.

O próximo tipo de rapport é um dos mais simples, que apesar de ser polêmico porque muitas vezes passa uma sensação de amadorismo, é capaz de gerar encaixe para qualquer tipo de imagem, incluindo fotos difíceis de encaixar com as outras técnicas. Em alguns estilos de estampa, são muito bem vindos, principalmente se os padrões forem aplicados em papel de parede, gravataria, etc.

Por espelhamento:

Nesse tipo, espelhamos o elemento no lado oposto do canvas. E mesmo que esse elemento esteja "decepado", o encaixe vai acontecer de forma perfeita. É preciso ter cuidado ao utilizar essa técnica com elementos muito figurativos porque você poderá gerar certas anomalias como animais de duas cabeças e por ai vai. Então posicione estrategicamente cada um deles. Esse tipo é um dos que os erros são quase impossíveis de acontecer. Mas sim, é preciso firmeza na hora de segurar o shift para que o elementos não "sambe" na tela. O espelhamento pode ser feito de forma manual ou automática por meio de cópia dos objetos inteligentes virados na vertical e na horizontal.

Por cruzado:

O cruzado é uma das minhas técnicas favoritas porque além de poder criar encaixes para elementos "soltos", facilita muito o rapport de composições completadas criadas por exemplo em papel. É um tipo fácil porém repetitivo de se rapportar e pode funcionar em quase todos os programas (incluindo o Procreate). A única dificuldade desse tipo de rapport é que para ser mais prático, você precisará mesclar as camadas. O que pode ser um problema se você não tiver backup dos elementos soltos. Porém, isso não é um problema ao rapportar composições já feitas na hora do desenho. Esse técnica também é excelente para conferir (de forma manual) se uma estampa tem algum problema e para corrigi-los.

Por visualização de padrão (pattern preview):

Uma das formas mais recentes de se criar um padrão, a visualização na verdade é uma forma de visualizar a repetição de um módulo e conferir possíveis problemas na estampa contínua. Porém, podemos utilizar essa visualização para criar o rapport. Apesar de ter regrinhas bem específicas em relação a objetos inteligente e camadas raster, é praticamente a prova de erros. Como é um recurso que utiliza o processador gráfico do computador (placa de vídeo), pode acabar deixando tudo muito lento (especialmente em rapport muito grande). Mas você pode minimizar isso utilizando o ctrl T quando quiser deslocar os elementos. Essa é, atualmente e junto com o cruzado, a minha forma de rapportar favorita. Além da repetição ser feita automática, podemos visualizar a repetição de forma infinita, fazendo com que tenhamos uma composição mais harmoniosa e menos marcada.


Bom, também existem ações e puglins que podem ser utilizados para facilitar a rapportagem. Apesar da maioria deles ser pagos, você pode criar a sua própria ação no Photoshop para minimizar alguns processos e aumentar sua agilidade na hora de criar uma estampa.


Como falei antes, não existe jeito certo ou errado. O importante é conseguir uma imagem contínua com encaixes perfeitos. E, de preferência, de forma rápida e prática. Mas isso depende muito mais da sua familiaridade com a técnica escolhida.

Eu nunca tinha explicado rapportagem em texto (apenas em vídeo). Espero que você tenha gostado dessa pincelada a respeito dos tipos de rapport. E se quiser aprender mais sobre eles, é só clicar na guia de cursos no topo da página (ou na imagem acima) e fazer sua matrícula.


Agora me conta aqui nos comentários se você conhecia todos esses tipos, qual o seu favorito e se eu esqueci de mencionar algum!

95 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page